quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Problemas com o sono?

Se Voce tem problemas para dormi preste a atenção:
As duas causas mais freqüentes:
1. Disfunção digestivas
2. Deficiência de Amino Acidos
condições secundárias freqüentemente associada com problemas de sono:
Ansiedade
Depressão
Insônia (sono) é uma combinação de várias questões subjacentes.
Importante:
• O sono é regulado por neurotransmissores (substâncias químicas do cérebro), que também afetam o humor e a energia.
• Falta de sono é um sintoma comum de deficiência nutricional.
• Deficiências nos aminoácidos específicos freqüentemente causam insônia.
deficiência de ácido aminado são geralmente o resultado da função digestiva pobre e / ou falta de aminoácidos específicos. A maioria dos americanos comem muita aminoácidos. No entanto muitos norte-americanos têm dificuldade em absorvê-los adequadamente. Este é geralmente o resultado da reduzida ácidos digestivos e enzimas digestivas.
• padrões de sono anormais podem causar aumento da ansiedade, depressão e dor.
Identificando o sintoma de deficiências nutricionais, quando combinados com problemas de sono:
Uma ou mais das seguintes características:
Coração • Palpitações
• Acideis Refluxo (leve a grave)
• Gáses (frequente)
• Inchaço (geralmente após as refeições maiores)
• Contipação intestinal ((ocasional)
• Diarréia (eventual)
Apenas um dos sintomas acima é nessessário determinar uma possivel deficiencia de amino acidos.
A meta para a resolução de problemas de sono começa com a identificação da causa subjacente. Infelizmente,a medicação não resolve a causa real do problema. Em alguns casos, a medicação realmente provoca dependência e de uma redução na regulação do sono normal.

Melatonina
DICA:
Eficaz no tratamento da insônia
Regula o ritmo do sono-vigília;
É o sonífero natural por excelência;
Não cria dependência;
Tem efeito protetor contra os radicais livres.
Melatonina é um suplemento natural para ser usado à noite. Conforme nossos olhos registram o cair da noite, a glândula pineal (localizada no centro do cérebro) inicia a produção de melatonina para auxiliar o nosso organismo a regular o ciclo do sono (ciclo circadiano). Estudos sugerem que uma pequena suplementação de melatonina nos ajuda a melhorar a qualidade do sono e facilita a adaptação ao “jet-lag” (mudança de fuso horário em viagens intercontinentais). Conforme envelhecemos, a quantidade de melatonina produzida pelo nosso organismo vai decrescendo. Cientistas acreditam que esta é a causa principal das pessoas idosas dormirem mal.

A melatonina não é considerada uma medicação porque é produzida no próprio corpo, está mais para suplemento alimentar, tal como são as vitaminas. A melatonina por ser natural não possui efeitos colaterais nem induz a dependência, além de não perder a eficácia ao longo do uso.

Podemos dizer que essa é a melhor alternativa para um bom grupo de pacientes com insônia. Como sonífero, a melatonina funciona ainda melhor do que os sedativos sintéticos, como os barbitúricos e as benzodiazepinas. Para os iniciantes: a melatonina é eficaz em pequenas doses e não produz efeitos colaterais. Além disso, o hormônio preserva a arquitetura natural do sono, inclusive o tempo e a duração das fases de sonho caracterizadas pelo movimento rápido do olho (a fase REM – rapid eye movement).

Qualquer pessoa, de qualquer idade, que sofra de insônia pode se beneficiar da melatonina. O hormônio é especialmente adequado aos idosos. Essas pessoas têm dificuldade de ter uma boa noite de sono porque a glândula pineal reduziu a produção de melatonina.

Você não precisa ser um insone inveterado para se beneficiar da melatonina. Para pessoas que dorme bem, mas nem sempre o sono é como deveria, o hormônio pode estimular o sono mais profundo e mais restaurador. No dia seguinte, você se sentirá muito mais descansado.

Os suplementos de melatonina facilitam o sono aumentando as concentrações sangüíneas do hormônio dos níveis diurnos de 10 picogramas por mililitros para os níveis noturnos de 100 picogramas por mililitros. A dose do suplemento necessária para obter esse aumento varia de uma pessoa para outra. Doses “normais” variam de 0,3 a 6,0 miligramas, embora, alguns casos resistentes de insônia tenham exigido até 20 miligramas. Ainda assim, sua melhor opção é começar de baixo – digamos, de 1 a 3 miligramas – e ir aumentando a dose aos poucos, até chegar ao nível mais adequado.

O tipo de insônia determina a duração do tratamento com melatonina para a produção do máximo efeito. Por exemplo, se você tiver dificuldade de pegar no sono, mas não de dormir, tome regularmente meia hora antes de se deitar. Se pega no sono facilmente, mas tem sono leve ou costuma acordar de madrugada (entre 2 e 5 da manhã) e não consegue pegar no sono de novo, talvez consiga melhores resultados se tomar melatonina de ação prolongada ao deitar-se.

Algumas pessoas têm os dois tipos de insônia. Se você for uma delas, talvez seja bom experimentar uma combinação de suplementos de melatonina regulares e de ação prolongada.

Quando começar a tomar melatonina, você talvez se sinta um pouco desorientado ou confuso nas primeiras horas após acordar. Essa sensação deve desaparecer após algumas noites de uso do hormônio. Se persistir, é provável que tenha que diminuir a dose.
NOTA: Este artigo tem somente o propósito informativo e não tem a intenção de substituir uma orientação médica.

Um comentário:

Daniela Sousa disse...

Sempre brinco com minhas amigas dizendo que meu organismo só produz melatonina durante o dia, pois sofro muito com a insônia e sou obrigada a fazer as coisas a noite p passar o tempo já que se eu deitar perderei no mínimo 3 horas rolando na cama. Agora será que alguém sabe responder se o uso da melatonina não acarreta um vício, tipo a pessoa ficar dependente e só conseguir dormir com o uso d mesmo?

Ocorreu um erro neste gadget

QUINOA


PROPRIEDADES NUTRICIONAIS

A quinoa foi escolhida pela Nasa por ser uma ótima fonte de proteínas de

alto valor biológico e fornecer todos os aminoácidos essenciais necessários para a

formação de enzimas e de massa muscular e para todo o funcionamento orgânico.

Os aminoácidos essenciais não são produzidos pelo organismo humano e, por

isso, é preciso buscá-los na comida. As principais fontes são os alimentos de

origem animal. 'Como tem uma quantidade muito grande de proteínas e todos os

aminoácidos essenciais, além de ser rica em ferro e zinco, a quinoa é de especial

interesse para o vegetariano. Aquinoa ainda fornece magnésio, potássio,

manganês, vitaminas B1, B2, B3, D e E. Para completar, é um alimento rico em

fibras também bastante calórico 100 gramas correspondem a 450 calorias.

O amaranto possui grande potencial nutritivo. A semente possui cerca de

15% de proteínas, que tem uma qualidade biológica comparável à do leite e

superior a de outros vegetais, como a soja e o feijão. O amaranto também é rico

em fibras e pode ser utilizado como fonte de zinco, fósforo e cálcio, elemento

pouco encontrado em vegetais. Experiências realizadas com coelhos de

laboratório na FSP, que tiveram seu colesterol aumentado por uma dieta,

demonstraram a capacidade do amaranto em reduzir os níveis plasmáticos de

colesterol. O amaranto é um arbusto que pode atingir até 2 metros de altura, com

folhas grandes e panículas (tufos semelhantes às espigas) que concentram as

sementes. "As folhas podem ser cozidas como a couve". Para a produção de

farinha, é necessário extrair das sementes o óleo, que tem altos níveis de ácidos

graxos insaturados e também poderia ser usado na alimentação.

INDICAÇÕES:

Não há restrições para o consumo daquinoa e amaranto, mas o público-

alvo são os portadores de doença celíaca (intolerância a alimentos à base de trigo,

centeio, cevada e aveia), já que ela é totalmente isenta de glúten e ainda possui

outras características como proteína de qualidade, em quantidade superior à dos

cereais; amido com grânulos pequenos, que facilitam a produção de alimentos

congelados; fração de gorduras que auxiliam na redução do colesterol; vitaminas

(em especial a E) e minerais, como o cálcio, o magnésio, o manganês e o ferro em

quantidades que superam com vantagem os cereais. Assim, eles estarão

incorporando opções para diversificar os alimentos e aumentando as chances de

levar uma vida normal. Certamente, os que sofrem dessa enfermidade genética

passarão, ao longo do tempo, a perceber os demais benefícios de seu uso. Os

atletas devem ingeri-la antes e depois das provas, pois a quinoacontém ômega 3

e ômega 6, auxiliares no armazenamento de glicogênio nos músculos; as

crianças, como alternativa ao leite de vaca; e os idosos, porque se trata de um

alimento rico em lisina, aminoácido que ajuda a fortalecer a imunidade e amelhorar a memória.

 
Related Posts with Thumbnails